quarta-feira, 3 de março de 2010

Não! Eu não quero esse Jesus!

"Recebestes de graça, dai de graça." (Mateus: 10,8);
"... o Filho do Homem não tem onde reclinar a cabeça." (Mateus: 8,20)

Não! Eu não quero esse Jesus!
Esse aí nunca foi o Nazareno...
Seu sermão da montanha é pelo avesso... 
Esse aí jamais viveu  na Galiléia,
nem sequer visitou Jerusalém...
Esse aí não conheceu Pôncio Pilatos,
nem  ao Gólgota jamais ele subiu.

Não! Eu não quero esse Jesus!
Não quero ser mais hipócrita do que sou!
E se me fiz um "sepulcro caiado",
eu não quero crescer em podridão!
Livra-me, ó Cristo, dessa "raça de víboras",
desses "lobos em pele de cordeiro",
desses vis salteadores,
desses autênticíssimos fariseus! 
- Não quero ser mais mau do que já sou!

Não! Eu não quero esse Jesus,
ó malditas aves de rapina,
ó malditos estelionatários!
Numa suntuosidade anticristã,
sois vós os próprios "vendilhões do templo"!
Por que tanto abusais da ignorância
daqueles a quem Cristo mais amou?
Ah! Bem sabeis em vossa vilania,
que esse "cristo"  que vendeis,
aos incautos,
aos inocentes,
aos desesperados,
é uma mercadoria
tão falsa quanto vós!

Não! Eu não quero esse Jesus!
(Anchieta)

3 comentários:

Isaac Melo disse...

Meu caro amigo Anchieta,
é por poemas como este que cada vez me encanto mais por tua poesia. É profunda, é tocante, é humana.
Sou católico, aspirante ao sacerdócio, e desde já tenho lutado por uma fé madura, profunda, que não fique apenas nas palmas para Jesus, mas impulsione uma vida coerente conforme aquilo em que se acredita. Não há fé isolada da vida, assim como não podemos amar a Deus se não começarmos por aqueles que estão ao nosso lado, sobretudo os pobres, as prostitutas, as párias...
Esse também não é o Jesus que creio, é muito limpinho, exclusivista, dinheirista, milagreiro. Aquele em quem acredito beijava leproso, rompia com leis estúpidas, comia em casa de "pecadores", e morreu tão somente por amor.
Sou imensamente grato pelo carinho a mim dispensado.
Deus possa continuar a te abençoar e toda a tua família.

Um grande abraço!!!

Brunno Damasceno disse...

Caro Professor Anchieta, esse Capitalismo tão adorado pelos "Senhores Feudais Atuais" faz com que pessoas de má índole usem o nome de Deus para "escravizar" pensamentos e extorquir pessoas. Esse Jesus meu Caro Professor, que você tão bem indicou nesse poema também não quero para mim.

Ótimo pensamento Professor, faz com que reflitamos sobre o bem e o mal imposto pela sociedade, escreva mais vezes sobre temas polêmicos como esse, você é craque nisso. Quer uma sugestão? Escreva sobre o preconceito racial tão contestado socialmente.

Anônimo disse...

eu lhe indico um outro tema de mesma polêmica:
Não! eu não que esses políticos!
Muito interessante este texto porém fico a pensar em uma segunda parte que este texo faltou ,porque aqueles que servem ao Nazareno oferecem algo a sociedade que e a própria sociedade os apedrejam....