quarta-feira, 13 de maio de 2009

O Xis da questão

Nenhum jornalista teve tão grande expressão no jornalismo acreano quanto Zé Leite. Nos idos de 1986, era ele Editor-Chefe de "O Rio Branco". Certa feita, num dos textos que escrevi (não me lembro qual), cometi um terrível erro. Quando li a matéria publicada, lá estava "esporadicamente" grafado "exporadicamente". Fiquei brabo e telefonei para o Zé, culpando todo mundo. Zé Leite, após consultar o meu original (datilografado), verificou que a culpa houvera sido minha e me lançou um desafio: "escreva em versos aos seus leitores e explique esse "xis" da questão, cara!"
Achei boa a ideia e, após constatar que no teclado o "xis" é posicionado imediatamente abaixo do "esse", disparei:
.
Nunca gostei do "xis" - letra maldita!
Pois o tal "xis", às vezes me enlouquece...
Nas equações o "xis" é meu problema,
E em Português, por vezes, me aborrece:
- "Esporadicamente" não tem "xis"
E eu escrevi um "xis" em vez de "esse"!

Seria um absurdo pôr a culpa
Na revisão tão rápida que fiz;
Mais absurdo ainda, se eu jurasse
Que eu cometi o erro porque quis,
Ou se culpasse o dedo que, na máquina,
Escorregou do "esse" e bateu "xis"!
(Anchieta)

Um comentário:

Isaac Melo disse...

Meu caro amigo Anchieta,
não tive a oportunidade de conhecer o saudoso Zé Leite, mas admiro muito seu trabalho, principalmente o livro Tão Acre,para mim uma das mais belas páginas já escrita de humor acreano.
Olha, admiro muito quem escreve em estilo de sonetos, houve um tempo que eu lia exclusivamente sonetos, meus primeiros versos são em formas de soneto, mas modifiquei todos, pois de soneto só havia a forma. Admiro quem escreve, mas não tenho tido muito frutos nesse estilo; por isso, admiro.
Gosto bastante de sua forma de escrever.
Um forte abraço!